quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Pesquisadores descobrem: O Nome de Jesus têm poder sobre alienígenas

Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. (Filipenses 2:10-11)

 
Quartel-general Resistência Alien - "Todo joelho se dobrará"
 

A PEÇA INDESEJADA DO QUEBRA-CABEÇA ‘OVNIS’
A pesquisa que mesmo a comunidade que estuda OVNIs não quer que você veja .

 
O que você está prestes a ver é provavelmente o segredo mais bem guardado na comunidade de pesquisa ufológica.

O presente trabalho é o culminar de 15 anos de pesquisas com relação à OVNIs e Abduções feitas por um grupo de pesquisadores chamado Grupo de Pesquisa CE4. Estes pesquisadores pegaram um pedaço do quebra-cabeça ONVI como seu projeto de pesquisa. Eles realizaram uma pesquisa honesta sobre este fenômeno estranho e incomum. Começando com uma hipótese, recolheram os dados e em seguida se dedicaram a compartilhar suas descobertas. O grupo de pesquisa tem trabalhado até o dia de hoje com mais de 350 casos de experiência de abdução alienígena.

Joe Jordan é o presidente e co -fundador da CE4 Research Group, um grupo de investigação e pesquisa a respeito de Abduções Alienigenas sediada em Cocoa, Flórida. Joe tem sido um investigador do campo de Mutual UFO Network desde 1992. Ele tem compartilhado as descobertas de suas investigações com relação a abduções através de muitos programas de rádio, jornais e artigos de revistas, DVDs e palestras. Seus resultados de pesquisa sobre abduções alienígenas foram mencionadas e compartilhados em doze livros de autorias diferentes ao longo da última década.

Ele ministrou palestras em seis festivais de OVNIs em Roswell, Novo México, inclusive na Conferência de 60º Aniversário em 2007. Ele também teve a honra de sediar a Conferência ‘Roswell UFO Festival’ na cidade de Roswell em 2008. O Grupo de Pesquisa CE4 tem sido o braço investigativo do AlienResistance.org , um site de câmara de compensação que cobre a visão bíblica sobre o fenômeno OVNI.
Observando que parecia haver uma natureza espiritual à experiência de abduções, levantou-se a questão : "Será que cristãos estão sendo abduzido por Aliens"?

A pesquisa mostrou que algumas pessoas que professaram ser cristãs estavam de fato relatando que haviam tido essa experiência em suas vidas. A mesma experiência que pessoas de todas as religiões ou sem religião haviam relatado ao longo dos muitos anos de pesquisa ufológica. Pesquisas de investigação, através dos anos têm demonstrado que mais de 5 milhões de pessoas podem ter experimentado algum tipo de experiência com este fenômeno.

Esta experiência tem um efeito negativo na vida das pessoas. É uma experiência terrível para aqueles que o relatam. Vidas foram destruídas. As relações familiares foram destruídas. Ter que viver com a ideia de que eles não podem controlar o que está acontecendo com eles é devastador. Eles não podem  nem mesmo pedir ajuda de amigos, família ou a profissionais médicaos devido ao escárnio que só piora a sua situação.

Durante as investigações sobre os casos relatados dos experimentadores, o Grupo de Pesquisa CE4 encontrou algo realmente notável. Eles descobriram que alguns destes experimentadores cristãos de abduções alienígenas haviam sido capazes de parar ou até mesmo eliminar a experiência de suas vidas, havendo um traço comum entre os experimentadores na maneira com que eles foram capazes de fazer isso.  A descoberta mais fascinante foi de que isso era mesmo possível, pois os principais pesquisadores do mundo, nesse campo de investigação dizem publicamente que não é possível parar as abduções. Mas os resultados do Grupo de Pesquisa CE4 mostram o contrário. E quando questionados ‘extra-oficialemente’, muitos desses principais pesquisadores mundiais admitem terem eles mesmos se deparado com casos semelhantes.   

Então surge a pergunta, por que eles não estão compartilhado esses achados também? Poderia ser devido às consequências de se compartilhar esta ocorrência? Isso poderia mudar as suas noções preconcebidas com relação a abduções alienígenas o a experiência OVNI? Existe uma “agenda secreta” que esta pesquisa pode expor? Se estes são os pesquisadores com quem contamos para nos apontar para a verdade deste fenômeno, por que não estão compartilhando todas as informações? Ao tentar montar o quebra-cabeça ‘abduções alienígenas’ e OVNIS você não iria querer todas as peças do quebra-cabeça trazido à mesa? Mesmo se as peças do quebra-cabeça estiverem mostrando uma imagem diferente do que o esperado? Investigação honesta exige que todas as peças sejam incluídas para uma resposta honesta.

 Temos nos esforçado em trazer o nosso pedaço do quebra-cabeça para a mesa. Temos encontrado resistência hostil da parte da comunidade investigativa neste processo. Se você está sinceramente buscando respostas para esse estranho fenômeno, por favor, pergunte a si mesmo, porque isso está acontecendo? Por que você não pode ver todas as peças de quebra-cabeça?

Através deste site (http://www.alienresistance.org/ce4.htm), esperamos ser capazes de dar-lhe aquele pedaço indesejado do quebra-cabeça. Por favor, esteja aberto a todos os resultados da investigação. Você não pode tomar uma decisão honesta, sem olhar para todas as pesquisas que tem sido feitas por todos os pesquisadores. Esperamos que, ao ver os resultados da investigação que estamos compartilhando aqui você será capaz de tomar essa decisão honesta.

A PESQUISA

Hipótese: os cristãos estão sendo abduzido por alienígenas.

Dados: Compilado através do trabalho com mais de 350 Experimentadores de abdução alienígena.
Alguns cristãos professos estão alegando ter experimentado a experiência de abdução alienígena.

 
O RESULTADO inesperado da pesquisa:

 Através da investigação dos testemunhos de casos verificou-se que alguns dos experimentadores foram capazes de parar ou terminar com a experiência. Houve o reconhecimento da existência de atributos comuns no método que foi utilizado entre os experimentadores cristãos. Descobriu-se que a experiência pode ser interrompida ou terminada ao invocar o nome e autoridade de JESUS CRISTO. Não como uma palavra mágica, mas através do devotamento e relacionamento pessoal com Ele.  

Descobrimos também que, compartilhando isso com outros experimentadores podemos ajudá-los também a parar com as suas experiências.

Isso é chamado de repetitividade.

A comunidade ufológica tem procurado esse evento repetitivo que é requerido em pesquisas requer para comprovar os dados. Nós documentamos isso em nossa pesquisa. Não há nenhum outro evento documentado repetível, registrado em qualquer outra pesquisa ufológica. Não só tem sido demonstrado que a experiência pode ser interrompida ou terminada em nome e autoridade de Jesus Cristo, mas somos capazes de ajudar você a interromper a experiência.

DADOS

 O que faz com que alguém tenha uma experiência de abdução?

Esta é uma pergunta que os pesquisadores seculares não encontraram resposta até hoje.

Mas nós, da Research Group CE4 descobrimos através de nossas pesquisas que as pessoas podem vir a ter essa experiência devido a uma de três razões, ou uma combinação das seguintes razões:

 1. Você pediu por isso. Algumas pessoas realmente pediram para ter esta experiência para saber o que é, e do que ser trata. Tenha cuidado com o que você pede!

2. Você, sem saber, abriu uma porta para a esfera desta experiência. Algumas pessoas, sem saber, abrem uma porta para a experiência, ao se envolverem em atividades da ‘Nova Era’ ou atividades ocultas. Quando você se envolve com coisas desconhecidas separadas de DEUS o Criador e Sua PALAVRA você se torna  vulnerável a essas entidades . Descobrimos que esta é a razão mais frequentemente encontrada como a raiz da causa da experiência.  

3. Você faz parte de um ciclo contínuo ou condicionamento social. Quando perguntado sobre os pais do experimentador ou a história devida familiar, verificou-se que a abertura havia vindo de um dos pais ou mais. A forma com que você cria seus filhos é importante. Quando existe uma cobertura DIVINA sobre a família, através do chefe de família, a família está protegida. Mas se não houver nenhuma cobertura DIVINA, a família está aberta a esses tipos de experiências anormais.

 

A EVIDÊNCIA

A evidência de nossas descobertas está nos relatos dos experimentadores. Temos mais de 100 postadas com permissão, relatos dos próprios experimentados por escrito ou áudio. Mais estarão vindo a medida em que o trabalho continua, pelo grupo de pesquisa . Quantos são precisos, para que perceba que este é um evento real? Leia e ouça a evidência por si mesmo. Compare o que você lê com o que lhe foi dito por outros. Agora você vai ter todas as peças em sua mão. Traga-os todos para a mesa. Temos certeza de que você irá descobrir por que isso é chamado de "Pedaço indesejados do quebra-cabeça OVNI". A evidência que ler e ouvir certamente irá levantar muitas perguntas sobre a experiência de abduções alienígenas e OVNIs. Perguntas que deve continuar a perguntar. Respostas que deve exigir dos pesquisadores que se recusam a permitir que todas as peças do quebra-cabeça sejam compartilhadas, quer eles gostem do que a pesquisa mostra ou não.


"Ao lidar com o mistério de OVNIs, não estamos na parte lunática da teologia, em vez disso, nós estamos, a seu favor, na linha de frente da batalha. Estamos em guerra defensiva contra uma grande agressão real à humanidade."
 - Dr.David Allen Lewis, autor, "UFO: End Time Delusion (OVNI: Engano no Tempo do Fim)"

 "E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos." Atos 4:12

 


 

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Neurocirurgião visita o Céu

"Quando se trata de Experiências de Quase Morte (EQM), existem três vertentes básicas. 
Há os adeptos: aqueles que passaram pela experiência ou que apenas acreditam que elas são possíveis.

Depois, vêm os descrentes convictos (como o meu velho eu). Essas pessoas na verdade não se consideram descrentes – elas apenas“sabem” que o cérebro é que gera consciência e não são iludidas por essas ideias malucas de vida além do corpo. 

Por fim, há o grupo intermediário. Neste, eu encontrei todas as pessoas que tinham tomado conhecimento da EQM, ou pela leitura ou por terem algum amigo ou parente que passou por ela, uma vez que é uma experiência bem mais comum do que se imagina. Essas pessoas são aquelas que podem ser ajudadas pela minha história.


A mensagem que essa experiência extracorpórea traz pode transformar vidas. Mas quando alguém potencialmente receptivo pergunta a opinião de um médico ou cientista, em geral ouve que tudo não passa de fantasia, de criações do cérebro em luta para se agarrar à vida, e nada mais.

Como um médico que passou pela experiência, eu poderia contar uma história diferente. E quanto mais eu pensava, mais sentia que tinhaobrigação de fazer isso. Uma a uma, analisei as hipóteses que eu sabia que meus colegas teriam levantado para “explicar” o que havia acontecido comigo. 

Teria sido a minha experiência uma simples programação do meu tronco encefálico para aplacar a dor e o sofrimento terminais – talvez um ato remanescente das estratégias de “morte de mentira” que os mamíferos inferiores costumam usar? Descarto essa hipótese logo de cara. Não há chance de que a minha experiência, com seus níveis visuais e auditivos tão sofisticados e seu alto grau de significados, tenha sido um mero produto da
parte reptiliana do meu cérebro.


Terá sido, então, uma evocação distorcida de lembranças vindas das partes mais profundas do meu sistema límbico, a região do cérebro responsável pelas emoções? Novamente, não! Sem o funcionamento do neocórtex, o sistema límbico não poderia produzir visões com a clareza e a lógica que vivenciei.


Poderia a minha experiência ter sido um tipo de visão psicodélica produzida por alguns dos (muitos) medicamentos que tomei? Mas as drogas só atuam com receptores no neocórtex. E com o neocórtex fora de ação, não havia local no cérebro onde essas drogas pudessem atuar.


E que dizer da intrusão do estado REM? Este é o nome de uma síndrome (relacionada ao movimento rápido dos olhos do sono REM, a fase em que acontecem os sonhos) na qual os neurotransmissores naturais, como a serotonina, interagem com receptores no neocórtex. Desculpe mais uma vez. A intrusão do sono REM necessita do funcionamento do neocórtex
para acontecer e, no meu caso, ele estava em pane.


Então havia o fenômeno hipotético conhecido como “liberação de DMT”. Nesta situação, a glândula pineal, reagindo à pressão de uma ameaça concreta ao cérebro, produz uma substância chamada DMT (ou N,N dimetiltriptamina). A DMT é estruturalmente similar à serotonina e pode provocar uma experiência psicodélica muito intensa. Não tive nenhuma
experiência com a DMT, mas já ouvi dizer que ela pode produzir um efeito psicodélico dos mais potentes – talvez até com implicações genuínas para o nosso entendimento do que a consciência e a realidade verdadeiramente são. Entretanto a porção do cérebro que a DMT atinge é o neocórtex, que, no meu caso, não poderia ser afetado simplesmente porque estava “ausente”. Portanto, em termos de “explicação” para o que houve comigo, a “liberação de DMT” não é muito provável, assim como as outras principais hipóteses
que poderiam justificar minha experiência, e pela mesma razão elementar.
Os alucinógenos afetam o neocórtex, e o meu neocórtex não estava disponível.


A última hipótese que cogitei foi a do “fenômeno de reinicialização”. Isso explicaria minha experiência como uma reunião de lembranças e pensamentos desarticulados que sobraram antes de o meu neocórtex apagar completamente. À semelhança de um computador reiniciando e salvando o que pode depois de uma queda do sistema ou falta de energia,
meu cérebro teria recolhido minhas lembranças da melhor maneira que pôde. Isso é até possível de ocorrer na reinicialização do córtex depois de uma prolongada paralisação do sistema. No entanto, parece uma explicação improvável, em razão da complexidade e da interatividade das minhas elaboradas recordações.
Quanto mais eu aprendia e quanto mais procurava explicar o que havia acontecido comigo, mais o terreno da especulação diminuía. Tudo – a misteriosa clareza das minhas visões, a lucidez dos meus pensamentos – sugeria uma maior, e não menor, atividade cerebral. No entanto, meu cérebro não podia fazer esse trabalho.
Por ter vivenciado a natureza não linear do tempo no mundo espiritual de forma tão intensa, consigo entender agora por que grande parte dos escritos sobre a outra dimensão pode parecer distorcida ou sem sentido numa perspectiva terrena. Nos mundos além deste, o tempo não funciona como aqui.
Uma coisa não acontece necessariamente depois da outra. Um momento pode parecer durar uma vida inteira, e uma vida inteira pode
parecer um momento.
Mas, embora o tempo nos mundos além deste não
funcione como estamos acostumados, isso não significa que ele seja confuso – e as recordações do meu período em coma foram tudo, menos confusas.

Enquanto lia as explicações “científicas” a respeito da EQM, eu ficava chocado com a superficialidade das análises. Descobri também, com tristeza, que elas eram exatamente as mesmas explicações que meu antigo eu daria se alguém perguntasse o que eu achava dessa experiência fora do corpo. Mas as pessoas que não são da área médica não têm obrigação de saber de nada disso.


Se o que eu passei tivesse acontecido com qualquer outro teria sido impressionante. Mas aconteceu comigo... E acreditar que havia acontecido “por um motivo” me causava inquietação. Ainda havia um pouco do velho médico em mim para saber que isso soava estranho. Quando, porém, mergulhei nos detalhes – e principalmente quando
considerei que a meningite causada por E. coli era a enfermidade perfeita para aniquilar meu córtex e avaliei minha rápida recuperação de um estrago total quase certo –, tive que levar a sério a possibilidade de que aquilo realmente tinha acontecido comigo por alguma razão.
Isso só me fez sentir uma responsabilidade maior por contar a história
direito.


Sempre me orgulhei de me manter atualizado com os avanços da literatura médica em meu campo de atuação, e também de contribuir quando tinha algo de significativo para acrescentar. O fato de eu ter sido despachado deste mundo para outro era uma notícia chocante, e agora que eu estava de volta, não iria deixar a história para lá. Do ponto de vista científico, eu ter me recuperado por completo era uma impossibilidade, praticamente um milagre médico. Mas o que era de fato impressionante nisso tudo era o lugar onde estive. Então eu tinha a obrigação de contar essa história, não só como cientista e profundo respeitador do método científico, mas também como um paciente que teve uma recuperação inexplicável." - Uma Prova Do Céu, Dr.Eben Alexander 


sábado, 8 de fevereiro de 2014

Cientistas consideram existência de outras dimensões com base em relatos de abduções

Temos aqui mais um exemplo onde a Ciência aponta para a existencia de 'algo mais'. Seguem abaixo relatos de John Edward Mack MD, psiquiatra americano, escritor e professor da Harvard Medical School a respeito de seu livro 'Abduction' que relata estudos sobre o fenômeno de abdução e como estes apontam para a possibilidade de que existem universos paralelos ou outras dimensões de realidade.


John Edward Mack MD, psiquiatra americano, e investigador do fenômeno de abduções


Antes de qualquer desses assuntos com relação ao fenômeno da abdução poder ser considerado útil, é importante coloca-lo o em um contexto ontológico [ontológico – que investiga a existência], pois o "status de realidade" deste, como qualquer assunto, irá determinar a relevância das perguntas e críticas mais específicas. Este livro ("Abduction" John Mack MD) descreve um mapa clínico do território de abduções, que eu acredito mostra que estamos lidando com um fenômeno que pode não ter origem em nossa realidade física, mas que penetra a nossa realidade de forma variável ou se manifesta nele de formas variáveis. Este mesmo conceito é um tanto quanto revolucionário e difícil de compreender dentro de nossa atual visão do mundo secular. No entanto, as minhas experiências com abduzidos me empurram em direção a essa conclusão.
No caso de algumas experiências de abdução, o indivíduo parece realmente estar ausente como descrito por outros. Mas outros incidentes parecem ser mais experiências fora do corpo, ou até mesmo encontros com estranhas formas de luz, sons, vibrações ou outras energias capazes de criar fortes sensações táteis, mas sem a ocorrência de qualquer coisa que poderia ser chamado de uma abdução, em qualquer sentido literal. O fenômeno parece operar de forma sutil, evasiva e até de formas enganosas, como se uma inteligência maliciosa estivesse agindo. No entanto, depois de cinco anos de envolvimento nesse campo, cheguei a conclusão de que esta sutileza é intrínseca a este fenômeno,  e deve ser abraçado, se quisermos penetrar os mistérios do fenômeno da abdução .

Para alguns de meus críticos a possibilidade de que a experiência de abdução realmente ocorreu, mas não por completo em nossa realidade física, nem em qualquer realidade ou dimensão ao qual temos acesso por meios empíricos, seria em termos uma contradição. Mas outros cientistas estão abertos à possibilidade de que essas experiências estão ocorrendo, pelo menos em parte, em outra realidade. Cientistas como Fred Alan Wolf, Rudolph Schild, Jacques Vallee, Carl Brunstadt e Ronald Bryan estão confrontando a possibilidade de que existem universos paralelos ou outras dimensões de realidade a partir do qual informações e materiais podem entrar no nosso mundo físico.
Mas se existe a possibilidade de existencia destes domínios "invisíveis” da realidade, e ao explorar experiências de abdução, estamos lidando com um reino ou reinos em que a mensuração direta, objetiva e externa não é possível, então devemos, necessariamente, basear para o nosso conhecimento nos relatos subjetivos da experiência humana. Mesmo em pesquisas como a do psiquiátrica assistente social John Carpenter, relatando pessoas sendo abduzidas ao mesmo tempo, onde os relatórios corresponderam nos mínimos detalhes, dependem da avaliação da experiência subjetiva (Carpenter , 1993).

 Parece-me que um estudo responsável e abrangente do fenômeno de abdução apela ao desenvolvimento e aplicação de uma ciência da experiência subjetiva, como a descrita por Stolorow (1992). Devido ao fato de que relatos pessoais são a nossa principal fonte de conhecimento de abduções, temos de ser especialmente rigorosos na avaliação de sua autenticidade, a intensidade afetiva e consistência ao compará-los uns com os outros, bem como a motivação, o ceticismo, credibilidade e sinceridade do relator em referência à sua experiência, e a relação das experiências de abdução com a história de vida da pessoa. Eu deveria apontar, no entanto, que este tipo de avaliação de relatos subjetivos sem corroboração de evidência física é o principal dados da psicanálise e da psiquiatria psicodinâmica. Uma formulação psicodinâmica correta explica memórias passadas e comportamentos atuais e prevê comportamentos futuros. Da mesma forma, uma análise adequada da experiência subjetiva de abdução deve ser corroborada por, e informar achados físicos, bem como prever eventos futuros.

A posição ao qual cheguei, depois de muitas centenas de horas de trabalho com experimentadores de abdução, é que estamos lidando aqui com um profundo mistério que tem potencialmente vastas implicações para o nosso mundo contemporâneo. Porque ainda não tenho indicações para concluir que aquilo que os experimentadores dizem que lhes aconteceu, na verdade não tenha ocorrido. Os dados experimentais, os quais, na ausência de evidência física mais robusta, são as informações mais importante que temos, sugerem que experienciadores de abdução foram visitados por algum tipo de “inteligência alienígena", que tem os impactado fisicamente e psicologicamente. Na verdade, essa conclusão se encaixa tão fortemente com os dados que eu e outros pesquisadores de abdução temos coletado, que duvido que esta possibilidade seria tão vigorosamente resistida se não fosse o fato de que este fenômeno viola a nossa visão do mundo científico e o controle implícito de nosso ambiente de vida que o acompanha.
Como parte de nosso esforço para explorar se o fenômeno da abdução, como tem sido sugerido, é principalmente uma ocorrência Ocidental, o meu colega Dominique Callimanopulos e eu temos explorado abduções alienígenas em outros países e entre os povos indígenas americanos.

 Em Novembro de 1994 , entrevistamos Credo Mutwa , um curandeiro zulu na África do Sul, que descreveu experiências de abdução clássicas. Também conversamos com muitas crianças em uma escola fora de Harare, capital do Zimbabwe, que relataram ter visto em plena luz do dia durante o intervalo de aula, vários OVNIs e dois seres alienígenas logo ao lado de fora do perímetro da escola. Sr. Mutwa, com setenta e três anos quando o entrevistei , lembrou vividamente, por exemplo, uma experiência aterrorizante que ele teve aos trinta e sete anos. Enquanto trabalhava com mineração no mato, ele de repente foi transportado para um recinto com paredes curvas, onde se encontrou em uma mesa rodeada por seres alienígenas cuja descrição era semelhante aos pequenos "grays" (cinzas) com os quais estamos familiarizados no país. Ele em seguida foi submetido aos tipos de experiências humilhantes descritos neste livro. Em fevereiro de 1994, um agricultor no Brasil nos relatou com intensas emoções, um encontro semelhante, com pequenos seres cinzas.
Sr. Mutwa e as crianças estavam angustiados com as suas experiências. Mas eles também relataram espontaneamente de terem recebido comunicações poderosos dos seres alienígenas, especialmente através de seus enormes olhos negros, sobre a falha de nossa espécie em tomar o devido cuidado com a terra.

As interpretações e as conclusões deste livro são hipóteses, destinadas a convidar outras pessoas a se juntar a mim na exploração desse importante mistério. O campo de abdução alienígena é um novo campo, e merece uma investigação multi-disciplinar ampla e sistemática. A minha esperança é que, se mais nada, este livro encoraje pelo menos alguns dos céticos que criticaram os meus métodos e hipóteses a mergulhar nos dados preliminares deste campo, ou seja, as experiências daqueles que foram submetidos aos encontros de abdução, e tirar suas próprias conclusões sobre o que está acontecendo aqui e o que isso pode significar para o futuro humano.
Artigo extraido de www.ufoevidence.org
Infelizmente John Mack foi atropelado e morto no dia 27 de Setembro de 2004. Conveniente, não!?

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Os Eclipses e as Festividades Judaicas


     Você já percebeu quantas alegorias existem na Biblia??  É como se Deus tivesse escrito a história duas vezes, sendo que a primeira vez serviu para nos mostrar o que Ele pretendia fazer através do sacrifício de Jesus!! Somente um Deus onipotente para conseguir fazer isso! Abaixo estão algumas alegorias que podemos encontrar na Bíblia, além de  um vídeo incrível sobre as FESTIVIDADES JUDAICAS e também sobre os ECLIPSES que irão acontecer em 2014 e 2015. Você sabia que Jesus cumpriu todas as festividades judaicas da PRIMAVERA?! Você sabia que o livro de Levítico nos diz muito sobre o tempo do fim?! Você já ouviu falar das QUATRO LUAS DE SANGUE? Vale a pena conferir!!

                                                               ALEGORIAS
                      Antigo Testamento                                            Novo Testamento

A páscoa e os sacrifícios de cordeiros
Sacrifício de Jesus
Deus liberta o povo da escravidão no Egito
Deus nos liberta da escravidão do pecado
O povo de Moisés em uma terra estrangeira, rumo à terra prometida
Somos estrangeiros nesse mundo (Hebreus 13:14), indo em direção à Nova Jerusalém
Moisés é o mediador entre Deus e o povo
Jesus é o único mediador entre nós e Deus (1 Tiago 2:5)
Templo
Somos o templo de Deus (1 Colossenses 6:19)

Sacerdotes da tribo de Levi
Somos sacerdotes de Deus (Apocalipse 1:6)

Sumo sacerdote
Jesus é nosso sumo sacerdote (Hebreus 9:11)

Sacrifícios a Deus
Oferecemos sacrifícios espirituais a Deus e sacrifícios de louvor (1 Pedro 2:5/Salmos 107:22)
A fé de Abraão, que acreditava que Deus era capaz de ressuscitar Isaque dos mortos (Hebreus 11:18)

A nossa fé na ressurreição de Jesus Cristo
Sábado
O repouso que entramos quando aceitamos Jesus Cristo (Hebreus 4:9-11/Hebreus 4:3)
Muitos do povo de Moisés morrem no deserto por causa da incredulidade (Hebreus 3:19)
A salvação é mediante a fé (Efésios 2:8-9/Hebreus 11:6). Talvez a grande quantidade de pessoas que morreram no deserto seja uma alegoria com o caminho estreito da salvação (Mateus 7:14)
Leis inscritas em pedras
Leis inscritas nos nossos corações (Hebreus 8:10)
Os dois filhos de Abraão, Isaque e Ismael
A própria Bíblia nos diz que é uma alegoria à Antiga e Nova Aliança (Gálatas 4:24)
Serpente levantada no deserto para a cura do povo (Números 21:8)
Jesus levantado na cruz para a nossa cura (João 3:14)
Maná
Jesus é o pão que desceu do céu (João 6:58)
A rocha de onde saia água para o povo beber (Números 20:8)
Jesus é a rocha (Mateus 21:42), quem beber da água que Ele nos dá nunca terá sede (João 4:14)
O povo de Moisés foi batizado na nuvem e no mar (1 Coríntios 10:2)
Talvez uma alegoria ao batismo do Espírito Santo e ao batismo de João
O povo passa 40 anos no deserto
Jesus é tentado por 40 dias no deserto (Lucas 4:2)
Abraão pôs a lenha sobre Isaque (Gênesis 22:6)
Jesus carregou a sua cruz (João 19:17)
Abraão demorou três dias para chegar ao local do sacrifício de Isaque, para Abraão “era como se Isaque estivesse morto durante três dias” (Gênesis 22:4)
Jesus esteve três dias no seio da terra (Mateus 12:40)