sexta-feira, 14 de outubro de 2011

EUA apoia ataque Israelense contra o Irã?

A trama terrorista criada pela administração Obama que culpou o Irã representa “luz verde” para um ataque israelense contra o Irã que acontecerá dentro das próximas duas semanas, de acordo com fontes militares que confidenciaram estas informações ao Alex Jones.


Israel teme que grandes potências como a Alemanha estão aproximando relações com o Irã e permitindo que o Irã continue seu programa de enriquecimento nuclear sem obstáculos. Uma janela de dois meses foi demarcado na qual Israel terá a oportunidade de lançar um ataque militar. Esperar até o inverno, quando o ataque será mais difícil, não é uma opção.

A visita a Tel Aviv de Leon Panetta Secretário de Defesa dos EUA no dia 3 de Outubro foi usada pelos falcões israelenses para convencer os Estados Unidos que devem dar luz verde ao ataque. Menos de 10 dias depois, um enredo esquisito de terrorismo envolvendo um vendedor de carros usados foi inventado para comprometer o Irã e criar o pretexto para um ataque militar.

"Nas últimas semanas, intensas discussões foram abordadas no exército israelense e os círculos de inteligência questionando se deveríam ou não lançar um ataque militar contra as instalações nucleares iranianas. Aparentemente, a principal questão no debate foi a forma de assegurar que os Estados Unidos participaríam do ataque ou, no mínimo, interviriam do lado de Israel caso o ataque inicial desencadeasse uma guerra mais ampla ", escreve Patrick Seale da Gulf News.

Esta intervenção foi validada pelo anúncio do falsificado plano terrorista, que na verdade foi inventado no mês passado, mas só se tornou público agora.

Enquanto as autoridades da inteligência dos EUA se preparam para a divulgação de uma série de tramas terroristas que serão atribuídos ao Irã, a revista Time Magazine relata que a administração Obama está se preparando para usar as acusações para tomar medidas além das táticas de isolamento simples.

"Se a Administração não consegue ganhar o apoio significativo de uma escalada de sanções ou outras formas de punição para o regime de Teerã depois de apresentar provas das últimas alegações de má conduta iraniana, a bola vai voltar pro campo de Obama", escreve Tony Karon. "Tendo feito o caso de que Irã cruzou a linha vermelha, ele estará sob crescente pressão para tomar uma medida - ou arriscar entrar na época de eleição assombrado por uma reputação de quem “pegou leve” demais com o Irã.

Com neo-cons correndo para apoiar medidas agressivas contra o Irã, Obama vai agora ter a cobertura necessária para prosseguir em mais um ato de mudança de regime. Como mencionamos por volta de fevereiro do ano passado, Obama está sendo chantageado para apoiar um ataque ao Irã como sendo a única maneira de salvar sua presidência. Nós também especulamos que uma tentativa de assassinato poderia ser usado como pretexto para comprometer o Iran.

Especialistas geopolíticas têm sido consistentes em suas advertências de que Israel esta se preparando para atacar o Irã neste outono.

Em julho, o veterano com 21 anos de CIA, Robert Baer disse a KPFK Los Angeles que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu estava planejando um ataque ao Irã em setembro, para coincidir com o pedido da Palestina de adesão a ONU.

O ex-funcionário do Departamento de Estado Steve Pieczenik disse que tem inúmeras fontes internas de inteligência, tendo trabalhado em diversas posições privilegiadas durante sua carreira, também indicou que o plano terrorista foi completamente fabricado e que seria usado como um pretexto para justificar um ataque militar contra o Irã.

Pieczenik também mencionou que Israel tinha recentemente recebido a entrega de uma grande quantidade de mísseis anti-bunker.

Como temos documentado, o suposto plano de assassinato contra o Embaixador da Arábia Adel al-Jubeir, que agora está sendo citado por todos, desde John Kerry a John McCain como uma justificativa para um ataque potencial militar, é uma fantasia completa.

O tenente-coronel Anthony Shaffer aposentado do Exército dos EUA revelou que uma pessoa no FBI com uma posição de alta segurança lhe disse que não ha qualquer registro de que a trama tenha existido dentro de canais DOJ, indicando claramente que todo o episódio foi inventado.

Outros rumores também estão emergido de que o suposto "mentor" por trás da trama era um maconheiro bêbado que gostava de vivia com prostitutas e foi descrito por aqueles que o conhecem como uma "piada".

Fonte: infowars

Nenhum comentário:

Postar um comentário