segunda-feira, 28 de março de 2011

Como Sobreviver a um Desastre Econômico

Como todos devem estar percebendo, estamos vivendo em tempos tumultuosos, desastres nunca ocorridos antes estão surpreendendo cidades e civilizações. A medida mais segura a tomar é ESTAR PREPARADO.
Abaixo estão descrito medidas praticas para sobreviver a um desastre econômico, um tipo de desastre que pode afetar o nosso país (e o mundo) num futuro muito próximo!



PRIMEIRAS MEDIDAS DE PREPARAÇÃO:
  • ·         Tenha como prioridade quitar suas dividas e aumentar os seus recursos.
  • ·         Livre-se das dividas e fique fora de divida (se necessário procure aconselhamento a este respeito, mas reduza suas dividas o quanto antes)!
  • ·         Considere vender itens valiosos que não estão sendo utilizados, e faça isso o quanto antes, enquanto ainda tiver gente com condições de comprar.
  • ·         Aumente seus recursos à medida do possível. Focalize em itens que você e sua família poderiam vir a precisar para sobreviver como: ÁGUA1, COMIDA2, itens pessoais, equipamento de caça/pesca e proteção pessoal, medicamentos, moeda alternativa com ouro ou prata, etc.

PRÓXIMO ESTAGIO:
  • ·         Tenha kit de primeiros socorros e kit de costura sempre a mão.
  • ·         Procure fazer o máximo de cursos de capacitação que puder na área de sobrevivência, primeiros socorros, permacultura, jardinagem (como plantar uma horta), etc.
  • ·         Procure conhecer seus vizinhos. Na hora do “aperto” vocês poderão precisar um do outro para sobreviver.
  • ·         Se torne o mais auto-suficiente possível.
  • ·         Aprenda a negociar/barganhar – itens úteis para negociação nestes casos são os de necessidade básica como roupas, sapatos, cobertores, sabão, fita crepe, plástico, etc e não se esqueça de itens “especiais” como café, chocolate, etc.

NO PIOR DOS CASOS

No caso de um colapso econômico total as pessoas no geral ficam muito desesperadas e desestabilizadas, fazendo com que as regiões urbanas (ou muito populadas) representem perigo.
Tenham um plano pré-definido (você e sua família) de se locomover para uma região mais remota, na casa de um parente talvez. Quanto mais distante e maior o terreno, melhor. Tenha uma “MALA DE FUGA3” sempre à mão para levar com você, com todos os itens que você possa vir a precisar por um bom tempo.

Mantenha o tanque do seu carro SEMPRE CHEIO para garantir a sua locomoção, dependendo da crise a gasolina pode não estar disponível ou ser racionalizado (como ocorreu no Japão depois do terremoto).

1. ÁGUA
No caso de um desastre, a água pode ficar contaminada ou escassa. Estoque suficiente água para você e sua família, o suficiente para NO MINIMO 3 dias. (Especialistas mais cautelosos sugerem ter um estoque de 3 meses, pois é o tempo necessário para uma situação se normalizar depois de caos).

Estoque um galão (aproximadamente 3,5 litros) de água por pessoa por dia. Essa quantia deverá ser suficiente para beber, cozinhar (limitadamente) e para fazer a higiene pessoal.
Não se esqueça de incluir seus animais de estimação no racionamento. 

2. COMIDA
No caso de um desastre você pode não ter acesso a comida, água ou eletricidade por dias, semanas e em alguns casos até mesmo meses. Tenha reservas de comida para a sua família para no mínimo 3 dias (Especialistas mais cautelosos sugerem ter um estoque de 3 meses).

Alimentos ideais para estoque de emergência são alimentos que não precisem ser refrigerados, que contenham pouco sal e que de preferência não precisem ser cozinhados (ex: frutas enlatadas, vegetais, pasta de amendoim, geléia, bolacha salgada com pouco sal, bolachas, cereal, nozes, frutas secas, carne ou sopa enlatada, suco e leite em pó).

Faça o revezamento (consumindo os alimentos estocados e substituindo por novos) dos alimentos e da água estocada de acordo com a validade dos produtos.

3. MALA DE FUGA
Tenha os seguintes itens na sua mala de fuga. Tente ter uma mala preparada por membro da família. Quando acontecer um desastre talvez você não tenha tempo de voltar para casa, então tenha alguns destes itens no seu carro.
  • ·         Lanterna
  • ·         Radio a bateria
  • ·         Baterias
  • ·         Apito
  • ·         Fita crepe
  • ·         Canivete
  • ·         Dinheiro de emergência
  • ·         Sapatos confortáveis, uma muda de roupa (esteja preparado pro frio)
  • ·         Um mapa local
  • ·         Um pouco de água e comida
  • ·         Caneta marcador, papel e fita crepe
  • ·         Fotos de membros da família para re-identificação
  • ·         Números de telefone de “points” de reencontro
  • ·         Lista de alergias de comida ou remédios.
  • ·         Pasta de dente e escova de dente
  • ·         Uma chave extra da sua casa e veiculo
  • ·         Qualquer item de “necessidade especial” para criança, idosos ou pessoa com necessidade especial.
  • ·         Não se esqueça de incluir um BIBLIA na mala, são nestas horas de aperto que mais precisamos de direcionamento SOBRENATURAL.  

Grande parte destas dicas foram tiradas do site Disaster Survival Resources

quinta-feira, 24 de março de 2011

Porque o Reinado do Dólar esta Próximo ao Fim

THE WALLSTREET JOURNAL
Artigo de Barry Eichengreen
  
Durante décadas, o dólar tem servido como a  moeda principal de reserva mundial, mas, Barry Eichengreen argumenta, que em breve o dólar terá que compartilhar esse papel. Eis a razão, e a explicação do que isso significará para os mercados internacionais e empresas.

Percentagem de operações de câmbio envolvendo o dólar. Participação do dólar em reservar cambiais externas.

O fato mais surpreendente a respeito do câmbio não é o alto volume de transações, por mais incrível que tem sido o crescimento. Também não é a volatilidade de taxas de moeda, por mais feroz que estejam os mercados estes dias. Pelo contrário, é a medida com que o mercado permanece centrado no dólar.

Considere isto: Quando um atacadista de vinho sul-coreano quer importar cabernet chileno, o importador coreano compra EUA dólares, não pesos, para pagar o exportador chileno. De fato, o dólar é praticamente o veículo exclusivo para as operações de câmbio entre o Chile e a Coréia, apesar do fato de que menos de 20% da balança comercial dos dois países é com os EUA. 

Chile e Coréia, não são um caso a parte: 85% das operações de câmbio em todo o mundo são negócios de troca de outras moedas por dólares. Além do mais, esse é o caso das operações de câmbio com negócios internacionais. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo define o preço do petróleo em dólares. 

O dólar é a moeda da metade de todos os títulos de dívidas internacionais. Mais de 60% das reservas cambiais dos bancos centrais e governos estão em dólares.O dólar, em outras palavras, não é apenas moeda norte-americana. É a moeda do próprio mundo.

Por mais surpreendente que seja, o que pode ser ainda mais espantoso é o seguinte: o reinado do dólar está chegando ao fim.

Acredito que nos próximos 10 anos, nós vamos ver uma mudança profunda em direção a um mundo em que várias moedas competem pela dominância.

O impacto de tal mudança será igualmente profunda, com implicações, entre outras coisas, na estabilidade das taxas de câmbio, a estabilidade dos mercados financeiros, a facilidade com que o EUA será capaz de financiar os déficits orçamentários e em conta corrente, e determinar se o Fed poderá seguir uma política de negligência benigna em relação ao dólar.

 Três Pilares
Como é que isso pode acontecer? Como que a moeda mais favorecida dos tempos poderia estar em perigo?

Para entender o futuro do dólar, é importante compreender o seu passado, porque o dólar se tornou tão dominante em primeiro lugar.. Deixe-me apresentar três razões:

Primeiro, seu fascínio reflete a profundidade singular dos mercados de títulos de dívida denominados em dólar. A própria escala dos mercados permite aos concessionários oferecerem ofertas baixas. A disponibilidade de instrumentos de derivativos com os quais cobrir o risco de taxas de câmbio do dólar é insuperável. Isso faz do dólar a moeda mais conveniente para fazer negócios para as corporações, os bancos centrais e governos. 

Em segundo lugar, há o fato de que o dólar é porto seguro do mundo. Em crises, os investidores migram para ela, instintivamente, como fizeram depois do fracasso de 2008 da Lehman Brothers. Essa tendência reflete a excepcional liquidez dos mercados com instrumentos do dólar, liquidez sendo o mais precioso de todos os produtos em uma crise. É resultado do fato de que os títulos do Tesouro dos EUA, o ativo mais importante comprado e vendido pelos investidores internacionais, tem tido por muito tempo uma reputação de estabilidade.

E por ultimo, o dólar se beneficia da escassez de alternativas. Outros países que têm há muito tempo uma reputação de estabilidade, como a Suíça, ou que adquiriram recentemente, como a Austrália, são pequenos demais, para as suas moedas darem conta de mais do que uma pequena fração das transações financeiras internacionais.

Participação das moedas em transações internacionais

O que está mudando
 Mas só porque isso tem sido o caso no passado não garante que se manterá no futuro. Na verdade, todos os três pilares que sustentam o domínio internacional do dólar estão ruindo.

Primeiro: mudanças na tecnologia estão minando o monopólio do dólar. Ha pouco tempo atrás o mundo poderia não suportar mais do que uma moeda internacional. Dada a dificuldade de comparar preços em diferentes moedas, fazia sentido para os exportadores, importadores e todos os emissores de títulos quotizarem seus preços e fatura das transações em dólares, só para não confundir os seus clientes.

Agora, no entanto, quase todo mundo carrega dispositivos de mão que podem ser usados para comparar preços em diferentes moedas em tempo real. Assim como aprendemos que em um mundo de redes abertas há espaço para mais de um sistema operacional para computadores pessoais, há espaço no sistema econômico e financeiro global para mais de uma moeda internacional.

Em segundo lugar, o dólar está prestes a ter verdadeiros rivais na esfera internacional, pela primeira vez em 50 anos. Em breve, haverá duas alternativas viáveis, sob a forma de o euro e o yuan chinês.

Americanos, especialmente, tendem a menosprezar o poder de permanência do euro, mas o Euro não vai a lugar nenhum. Ao contrário de algumas previsões, os governos europeus não abandonaram o Euro, e nem irão abandonar. Eles vão continuar com a redução do défice a longo prazo, algo no qual eles têm mostrado mais determinação do que os EUA e eles vão emitir "e-bonds" -títulos baseados na plena fé e crédito dos governos no euro como um grupo- como um passo para resolver a crise. Isto irá estabelecer as bases para o tipo de mercado europeu integrado necessário para criar uma alternativa a tesouraria dos EUA como forma de manter reservas do banco central. 

China, entretanto, está se movendo rapidamente para internacionalizar o yuan, também conhecido como o renminbi. O ano passado viu quadruplicar os depósitos bancários em Hong Kong denominados em yuan. Setenta mil empresas chinesas estão agora fazendo seus assentamentos externos em yuan. Dezenas de empresas estrangeiras tenham emitido títulos "dim sum" denominados em yuan em Hong Kong. Em janeiro, o Banco da China começou a oferecer contas de depósito-yuan, em Nova York segurados pelo Federal Deposit Insurance Corp.

Permitindo que as empresas chinesas façam assentamentos externos em yuan irá liberá-los de ter que realizar operações dispendiosas cambiais. Eles já não terão que lidar com o risco cambial criado pelo fato de que suas receitas são em dólares, mas muitos de seus custos são em yuan. Permitir que os bancos chineses, por sua parte, possam fazer transações internacionais em yuan lhes permitão agarrar uma fatia maior do bolo financeiro global.

Evidentemente, a China tem um longo caminho a percorrer na construção de mercados líquidos e fazer os seus instrumentos financeiros atraentes para os investidores internacionais. Mas isso é fundamental para a estratégia económica de Pequim. As autoridades chinesas fixaram 2020 como data limite para transformar Xangai em um centro financeiro internacional first-class. Nós, ocidentais, já subestimamos a China uma vez. Não devemos cometer o mesmo erro novamente.

Finalmente, há o perigo de que o status do dólar de “porto-seguro” será perdido. Investidores estrangeiros, privados e oficiais se apegam ao dólar não apenas por ser líquido, mas por ser seguro. O governo dos EUA tem um histórico de honrar suas obrigações, e sempre teve a capacidade fiscal para fazer isso. 

Mas agora, principalmente como resultado da crise financeira, a dívida federal está se aproximando a 75% do PIB dos EUA. Déficits de trilhão de dólares se estendem até onde os olhos podem ver. E como os encargos do serviço da dívida crescem mais, a questão que vai surgir é se os EUA pretendem manter o valor de suas dívidas ou se vão recorrer a inflar-los. Os investidores estrangeiros ficarão relutantes em colocar todos os ovos na cesta do dólar. No mínimo, o dólar vai ter que compartilhar seu status de porto-seguro com outras moedas.

Um mundo mais complicado
Quanta diferença tudo isso vai fazer para os mercados, empresas, às famílias, aos governos?

Uma mudança óbvia será para os mercados de câmbio. Não haverá mais um salto automático do valor do dólar com um correspondente declínio do valor de outras moedas importantes, quando a volatilidade financeira surgir. Com o dólar, euro e yuan sendo negociadas no mercado e sendo visto como “porto seguro”, haverá circulação de todos os três deles em períodos de dificuldades financeiras. Nenhuma moeda chegará a ficar tão forte como fez o dólar após o colapso do Lehman Bros.  Não haverá razão para as taxas entre elas mover bruscamente, algo que poderia potencialmente derrubar os investidores.

Mas o impacto irá muito além dos mercados. Claramente, a mudança vai tornar a vida mais complicada para as empresas dos EUA. Até agora eles tiveram a conveniência de usar a mesma moeda de dólares, pagando seus trabalhadores, a importação de peças e componentes, ou vendendo seus produtos para clientes estrangeiros. Eles não têm de lidar com o custo da mudança de moeda estrangeira em dólares. Eles não têm que comprar contratos futuros e outras opções para se proteger contra perdas financeiras devido a alterações na taxa de câmbio. Isso tudo vai mudar no admirável mundo novo que está chegando. Empresas norte-americanas terão que lidar com alguns dos mesmos riscos de taxas de câmbio e os riscos que seus concorrentes estrangeiros.

Por outro lado, a vida se tornará mais fácil para os bancos  e empresas europeus e chineses, que serão capazes de realizar mais dos seus negócios internacionais em suas próprias moedas. O mesmo será verdade para empresas de outros países que fazem a maioria de seus negócios com a China ou na Europa. Será uma considerável conveniência e vantagem competitiva para que eles sejam capazes de fazer negócios em yuan ou euros, em vez de ter de passar pelo dólar.

Impacto no EUA
Neste novo mundo monetário o governo dos EUA não será capaz de financiar o seu déficit orçamental de forma tão barata, já que seus títulos do Tesouro dos EUA não serão mais uma opção tão atraente para os bancos centrais estrangeiros. 

Os EUA também não serão capazes de manegar grandes comércios de déficits em conta corrente, já que o seu financiamento ficará mais caro. Para diminuir o déficit em conta corrente será necessário exportar mais, o que significa fazer produtos dos EUA mais competitivos nos mercados externos. Que por sua vez significa que o dólar teria de baixar nos mercados cambiais, ajudando os exportadores dos EUA e ferindo as empresas que exportam para os EUA.

Meus cálculos indicam que o dólar terá uma queda de aproximadamente 20%. Porque os preços dos bens importados vão subir em os EUA, padrões de vida serão reduzidos em cerca de 1,5% do PIB $ 225 bilhões em dólares de hoje. Isso é o equivalente a um semestre de crescimento econômico normal. Por mais que isso não seja um desastre econômico, os americanos definitivamente vão sentir na carteira. 


domingo, 20 de março de 2011

O Terremoto no Japão foi Planejado?


Jogo INWO Indica que Terremoto no Japão foi planejado


O cartão do jogo INWO "Desastres Combinados" parece indicar que - O desastre do terremoto no Japão foi planejada para derrubar o Japão. Eles tinham catástrofes combinadas, como mostrado no cartão de terremoto-maremoto, por exemplo - Vazamento de radiação da usina nuclear. E o terremoto de 8,9 começou às 2:47, hora local, que também coincide com o tempo do relógio da carta "Desastres Associados".

 O terremoto de 8,9 começou às 2:47, hora local, que também coincide com a hora do relógio.


O jogo de carta dos Illuminati "Desatres Combinados"  tambem suporta a afirmação de Benjamin Fulford, de que o terrível terremoto foi o resultado da arma metereologica HAARP, que atacou o Japão em 11 de marco de 2011, resultando em tsunamis de 10 metros de comprimento ao longo de grande parte da costa do Japão provocado por elementos corruptos do governo dos EUA localizados em bases subterrâneas no Novo México e Nevada.

Projetor de Terremotos outra carta do jogo INWO

No vídeo abaixo (em inglês) Benjamim Fulford fala a respeito de uma reunião que teve em 1998 com o ex-ministro de finanças do Japão, onde perguntou a razão por eles estarem entregando o controle do sistema financeiro Japonês a um grupo Oligárquico de Americanos e Europeus, ao qual ele respondeu que o Japão tinha sido ameaçado por uma “MAQUINA DE FAZER TERREMOTOS”. Fulford disse que não acreditou no primeiro momento. Mais tarde Fulford foi informado que por causa do vazamento de informação que foi dado a ele (e divulgado pela internet) a cidade de Niigata seria atingida por um terremoto. Dois dias mais tarde a maior usina do Japão foi o epicentro de dois terremotos de magnitude de 6.8. Curioso e surpreso, Fulford começou a pesquisar e acabou descobrindo HARRP e a sua tecnologia de mudança de clima e acionador de terremotos.  



 COMO HAARP FUNCIONA: A instalação de transmissores envia ondas de rádio na ionosfera, entre 100 e 350 km de altitude. O efeito de aquecimento resultante cria irregularidades na densidade eletrônica aqui, que por sua vez, permitem que sinais de comunicação, como de satélites possam ser retransmitidas ao pela ionosfera.
 OBS: De acordo com o Flford, HAARP pode aquecer agua no subsolo, causando terremotos.

O mais provável é que o próximo alvo seja a linha de falha Madrid no Centro-Sul-Oeste dos Estados Unidos, de acordo com as ameaças provenientes da facção nazista do George Bush sênior e do governo dos EUA.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Povos da Terra: Preparem-se para o desastre econômico

"Não estamos afundando não, apenas fazendo uma revisão descendente"

Não é  os Estados Unidos, que anda rumo ao colapso econômico. A verdade é que o mundo inteiro está caminhando em rumo a um colapso econômico maciço e os povos da terra precisam ser alertados a respeito do desastre econômico que vai varrer o mundo. O sistema financeiro mundial atual é baseado em dívida, e existem sinais alarmantes indicando que a bolha gigantesca da dívida global está prestes a explodir. Além disso, os preços globais dos principais recursos dos quais as principais economias do planeta dependem estão subindo muito rapidamente. Apesar de toda a nossa tecnologia  avançada, a verdade é que a civilização humana simplesmente não funciona sem petróleo e alimentos. Mas agora o preço do petróleo e o preço dos alimentos estão aumentando dramaticamente. Então, como é que a atual economia global deve continuar funcionando corretamente, se a remessa de produtos entre os continentes logo chegar a um custo muito maior do que o valor presente? Como é que os bilhões de pessoas que estão apenas sobrevivendo hoje poderão se alimentar, se o preço dos alimentos subir mais 30 ou 40 por cento? Durante décadas, a maioria das principais economias ao redor do globo têm tido por certo que os montantes enormes de petróleo barato e as grandes quantias de alimento barato sempre estarão garantidos. Então o que acontecera quando essa mudança de paradigma ocorrer?

Na última verificação, o preço do petróleo nos EUA foi superior a 104 dólares o barril e o preço do petróleo tipo Brent estava acima de 115 dólares o barril. Muitos analistas temem que, se a crise se agravar na Líbia ou se o caos no Oriente Médio se alastrar,talvez chegaremos a ver o recorde de todos os tempos de 147 dólares o barril sendo quebrado até o final do ano. Isso seria absolutamente desastroso para a economia global. Mas não é apenas o caos no Oriente Médio, que está impulsionando os preços do petróleo. A verdade é que o preço do petróleo tem escalado por meses. As recentes revoluções no Oriente Médio têm apenas acelerado esta tendência. (Uma verdadeira revolução na Arábia Saudita levaria os preços do petróleo a uma escala sem precedentes.)

Mas mesmo sem contar com todos os problemas no Oriente Médio, o mundo já estava caminhando rumo a crise do petróleo. A demanda global por petróleo está crescendo num um ritmo muito vigoroso. Por exemplo, a demanda chinesa de petróleo no ano passado aumentou em quase 1 milhão de barris por dia. Isso é absolutamente incrível. Os chineses estão comprando a cada ano, mais carros novos do que os americanos, e a demanda chinesa por petróleo por esta razão só vai continuar aumentado. Muitas medidas poderiam ser tomadas para aumentar a oferta mundial de petróleo, mas até agora os nossos políticos e os executivos das grande empresas de petróleo  estão apenas observando. Eles parecem gostar do aumento do valor do petróleo, por agora, parece que os preços do petróleo continuarão a subir e isso vai resultar em preços muito mais elevados. A ABC News está relatando que a gasolina sem chumbo regular está indo para 5,29 dólares um galão em um posto de gasolina em Orlando, Flórida.

A economia dos EUA em particular, é vulnerável ao preço do petróleo porque seu sistema económico é concebido em torno de gasolina barata. Se o preço do gás sobir para 5 ou 6 dólares por galão e ele permanecer causará um efeito catastrófico sobre a economia. Basta lembrar o que aconteceu em 2008. O preço do petróleo bateu um recorde histórico de US $ 147 o barril e, em seguida, alguns meses depois, todo o sistema financeiro teve um grande colapso. Bem, como o preço do petróleo subindo ele vai criar uma série de desequilíbrios no sistema financeiro mundial mais uma vez. Esta é definitivamente uma situação do qual todos nós devemos prestar atenção. Mas não é apenas o preço do petróleo que poderia causar uma catástrofe econômica mundial. O preço global dos alimentos poderia ser ainda mais preocupante. Enquanto você lê isto, há cerca de 3 bilhões de pessoas ao redor do mundo que vivem com o equivalente a 2 dólares por dia ou menos. Essas pessoas não poderão pagar os preços dos alimentos se subir em demaisa. Mas os preços globais dos alimentos estão subindo. Segundo as Nações Unidas, o preço global dos alimentos tem aumentado por oito meses consecutivos. No mês passado, o preço global dos alimentos estabeleceu um novo recorde histórico de alta. Muitos estão começando a temer que poderíamos estar nos estágios iniciais de uma crise alimentar global.

O preço de praticamente todas as principais comodidades agrícolas tem sido tido um aumento absurdo durante o ano passado ....

* O preço do milho dobrou nos últimos seis meses.

* O preço do trigo mais que dobrou em relação ao ano passado.

* O preço da soja subiu cerca de 50% desde junho do ano passado.

* O preço do algodão mais que dobrou em relação ao ano passado.

* O preço do suco de laranja dobrou desde 2009.

* O preço do açúcar é o mais alto em 30 anos.

Infelizmente, a produção de alimentos em muitos países ao redor do mundo é altamente dependente do petróleo, então a medida que o petróleo subir de preço a crise alimenticia ficará pior.

Segura firme pessoal!



segunda-feira, 14 de março de 2011

O Anel de Fogo está voltando à ativa?


Sería o terremoto no Japão um sinal de que o Anel de Fogo está voltando à ativa?

Por favor, orem pelo Japão. As imagens da devastação causada pelo terremoto de magnitude 8,9 no Japão são absolutamente devastadoras. Foi o pior terremoto da história do Japão, e foi um dos cinco maiores tremores de terra que já foi gravado. O terremoto de magnitude 8,9 desencadeou um tsunami absolutamente inédito nesta parte do mundo. Paredes de 30 pés de água chegaram até 6 milhas para o interior da costa. Carros e casas foram empurrados pela água correndo como se fossem brinquedos de crianças. Desde o primeiro tremor, houveram mais de 100 tremores de magnitude 5.0 ou superior. Centenas de corpos foram encontrados até agora, e de acordo com um relatório, 88.000 pessoas estão desaparecidas. Não se pode dizer quão alto será o número de mortos eventualmente. Grandes áreas de terra estão completamente debaixo de água e 4,4 milhões de domicílios no Japão nordeste estão sem eletricidade. Então, será que vamos ver mais terremotos como este? outros sinais de que o "Anel de Fogo " está voltando à vida?


Se você nunca ouviu falar do "Anel de Fogo", este é um ótimo momento para se familiarizar com o assunto.  
O seguinte é como a Wikipedia define o "Anel de Fogo":
O Círculo de fogo do Pacífico, ou Anel de fogo do Pacífico (ou às vezes apenas Anel de Fogo), é uma área onde há um grande número de terremotos e uma forte atividade vulcânica, localizado na bacia do Oceano Pacífico. O Anel de Fogo do Pacífico tem a forma de ferradura, com 40.000 km de extensão e está associado com uma série quase contínua de trincheiras oceânicas, arcos vulcânicos, e cinturões de vulcões e / ou movimentos de placas tectônicas. O Anel de Fogo do Pacífico tem cerca de 452 vulcões e é o lar de mais de 75% dos vulcões ativos e latentes do mundo.

Aproximadamente 90 por cento dos terremotos do mundo ocorrem ao longo do Anel de Fogo. Cerca de 75por cento dos vulcões do mundo se encontram ao longo do Anel de Fogo.

Lembram-se do tsunami na Indonésia que ocorreu no dia 26 dez 2004? Isso aconteceu ao longo do Anel de Fogo. Além disso, o terremoto de 8,8 que atingiu o Chile em fevereiro estava localizado no Anel de Fogo também.

Mas este terremoto no Japão foi o evento mais dramático que temos tido ao longo do Anel de Fogo a décadas....

Então, quais são as evidências de que o Anel de Fogo está voltando à vida?

Bem, considere os seguintes fatos ....

  •  No mês passado, um grande terremoto absolutamente devastaou Christchurch, Nova Zelândia.
  •   Dois vulcões na região de Kamchatka de Rússia entraram em errupção quase que no extato momento em que ouve terremoto no Japão de magnitude 8,9.
  •   Um dos vulcões mais ativos da Indonésia, o monte Karangetang, entrou em errupção apenas duas horas após o terremoto que atingiu o Japão.
  • O vulcão do Fogo na Guatemala explodiu no final de fevereiro.
  • 800 metros de cinzas forma expelidos do vulcão Santiaguito na Guatemala perto do final de fevereiro.* Uma série de outros vulcões ao longo do Anel de Fogo tem entrado em errupção nos últimos tempos.
  •   Apesar de não ser sobre o Anel de Fogo, o vulcão Kilauea, no Havaí, também esta localizado no Oceano Pacífico e também tem estado extremamente ativo recentemente. Ele jorrou 65 pés de lava ao ar na semana passada.
  • 2011 está apenas seguindo uma tendência de aumento da atividade ao longo do Anel de Fogo, que começou no ano passado. Acontece que 2010 foi um ano marcante para erupções vulcânicas em torno do anel de fogo.
  • A costa oeste dos Estados Unidos também se encontra ao longo do Anel de Fogo. No ano passado, mais de 2000 tremores de terra atingiram o sul da Califórnia, em apenas uma semana.
  • Um terremoto de magnitude 8,8 sacudiu a central do Chile em fevereiro passado e produziu um tsunami que matou 524 pessoas.
Infelizmente, a lista de exemplos poderia continuar e continuar e continuar.

A verdade é que ultimamente são feitos relatos de abalos sismicos e errupções vulcânicas de proproções significativas em alguma parte do mundo, quase todos os dias.

Se você estiver com a impressão de que parece que tem havido mais desastres naturais recentemente, não está imaginando coisas.

A verdade é que o número de terremotos e de erupções vulcânicas esta definitivamente aumentando.
Claro que existem alguns "opositores" na comunidade científica que ainda estão tentando insistir em dizer que tudo isso é perfeitamente "normal" e que a razão por que mais terremotos e erupções estão sendo relatados é porque hoje temos melhores meios para detcta-los.

Então você acredita nisso?

Para a maioria de nós está muito claro que a Terra está acordando.

Então, por que isso está acontecendo?

Bem, existem dezenas de teorias para isso que estão sendo lançados na Internet.

Por exemplo, alguns estão culpando o fenômeno "Supermoon" pelo terremoto no Japão. Aqueles que promovem esta teoria de apontam que o tsunami na Indonpésia em 2004 também ocorreu apenas durante um "Supermoon".

Outros que têm estudado o fenômeno de 2012 estão alertando que o terremoto que vimos no Japão é um exemplo do aumento da instabilidade geológica que estaremos testemunhando a medida que nos aproximamos dessa data.

Ainda a outros que dizem que isso é prova de que profecia bíblica está sendo cumprida. Por exemplo, Jesus nos alertou em Mateus 24:7 que os terremotos seriam um dos sinais dos últimos dias:  
"Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. "

Mas, seja qual for a explicação que você tiver, a verdade é que está se tornando cada vez mais claro o fato de que a Terra está se tornando muito instável.

Será que algo assim como acabamos de ver no Japão pode acontecer nos dos Estados Unidos?
Bem, como eu tenho escrito anteriormente, a falha de Madrid poderia vir a tona a qualquer momento. Um forte terremoto ao longo da falha poderá absolutamente devastar o centro do país um dia.

Além disso, existe a ameaça constante de que o "Big One" poderia finalmente atingir a Califórnia. A Califórnia localiza-se ao longo do “Anel de Fogo” e muitos estão convencidos de que um dia um gigantesco terremoto irá alterar permanentemente a geografia daquele estado. A verdade é que a Califórnia está ha muito tempo a espera de um grande terramoto. Um artigo na revista Time, no ano passado, relatou o seguinte:

     A Califórnia tem mais de 300 falhas sob a sua superfície, incluindo a enorme falha de San Andreas, mas o pior terremoto de todos ainda está para chegar. Em 1980, um relatório federal declarou que as probabilidades de um terremoto de grandes proporções atinja a Califórnia nos próximos 30 anos é "bem mais de 50%. "

Mas seja o que for que você pense a respeito de tudo isto, espero que possamos concordar que uma liçãoque todos nós podemos aprender com os acontecimentos recentes é que é muito importante estar preparado.

Você nunca sabe o que vai acontecer a seguir. Muitas das pessoas que vivem no Japão provavelmente nunca imaginaram que um tsunami pudesse chegar a 6 milhas no interior da costa.

Mas foi o que aconteceu.

Será que você e sua família estríam preparados caso o desastre acontecesse na sua região?

Se não, porquê não?

A verdade é que existem milhões de pessoas nos Estados Unidos e ao redor do mundo que agora se consideram "preparados". As pessoas estão fazendo coisas incríveis com os recursos limitados disponíveis, e você também pode.

O mundo está se tornando um lugar muito instável, e desastres pode acontecer a qualquer momento. Quando as coisas azedam, aqueles que estão preparado são os que tem melhor chance de passar por isso.

Como o povo do Japão descobriu, os desastres naturai podem mudar drasticamente nossas vidas em um único dia.

Quando isso acontecer, você estará previnido?