sábado, 1 de janeiro de 2011

A Silênciosa Guerra Contra a Saúde

O PEIXE MORRE PELA BOCA
 
Por Arlindo Montenegro
 
O corpo é seu. Seu de quem? A referencia aponta um existente "dono" do corpo, um ser intangível, que decide e estimula o cérebro para ativar as conexões neuroniais, musculares... que movimentam a gente pela vida afora. Este ser intangível que está em contato com a energia do universo é conhecido como espírito, alma, a luz, a energia poderosa que, afastada, o corpo em que morou dilui-se na materia.
 
As primeiras escolhas para a alimentação do corpo são decididas pelos pais – desde o leite materno até as papinhas daquela multinacional de alimentos. Será que os pais têm informação suficiente para desenvolver cérebros sadios? Será que todos os pais podem oferecer os alimentos mais saudáveis na infância? Será que os pais sabem como habituar os filhos a alimentar-se para conservar a saúde? Alguns educam a viver para comer qualquer alimento disponível, sem escolhas. E são poucos os que têm consciência e poder aquisitivo para manter uma dieta equilibrada provisionando seus corpos com os aminoácidos essenciais, espalhados em frutos, legumes, grãos e animais defuntos, crus ou cozidos. Mas os cientistas sabem. Os nutricionistas sabem como divulgar e facilitar as escolhas. E muitos erram, porque dentre os humanos que alcançam a longevidade acima dos 100, 110, 120 anos, não figuram os equilibrados habitantes das metrópoles. Relacionam-se comedores de carnes, gorduras e fumantes.
 
Esta é uma área de interesse mortal para os engenheiros sociais que perseguem a morte seletiva e a obediência da boiada, aspectos que interessam ao estado. Isto justifica os ataques do estado aos credos, que preservam e fomentam a fé que fortalece o espírito. Chegamos à educação. E desde a infância nos dizem que o flúor, contido nas águas que chegam as torneiras e nas pastas dentais é um elemento saudável. Sucessivos estudos constatam rigorosamente, que o fluor é uma toxina perigosa que corroi o cérebro e está associado às dificuldades de desenvolvimento intelectual. Isto é, estudos feitos na China e nos EUA, aplicações científicas efetuadas por soviéticos e nazistas entre prisioneiros, todos definem a consciência científica longeva sobre os efeitos do fluor no comportamento, no desenvolvimento de cérebros passivos, conformados, incapazes de reação.
 
 
As medidas de inteligência entre crianças "fluoretadas" ou não, demonstram que a diferença de capacidade intelectiva entre uns e outros é de 350%! Em todo o mundo os governantes e profissionais da saúde, continuam ignorando. A Onu ignora! As verdades sobre o fluor são mantidas na espiral do silêncio. Por quê? Que pais, em sã consciência, colocariam em risco o desenvolvimento intelectual dos filhos?
 
Recentemente virou moda a guerra contra o tabaco que produz cânceres diversos. Tá bom! Existem estudos que demonstram a letalidade de agrotóxicos, que provocam enfermidades sucessivas, comprometendo as defesas organicas e proporcionando uma morte lenta ou lesões mais graves que reduzem a capacidade de trabalho das pessoas, que passam a ser consumidoras vorazes de fármacos, contra males que aparecem como endemias da sociedade moderna.
 
Mas é proibido avançar e proibir o comércio da Monsanto, da Cargill, que promovem o controle de alimentos modificados com aprovação da ONU, que ensaia a imposição do Codex Alimentarius, a política mundial que proibe a liberdade de plantar e colher de acordo com as necessidades e utilizando sementes da mesma produção local.
 
E que dizer da gordura vegetal hidrogenada, das gorduras trasgênicas que entram na composição até da velha e saudável manteiga? Que dizer do aspartame que está presente nos doces, balas, bombons e aquelas gotinhas para adoçar o café e nos onipresentes refrigerantes?
 
O que é de fato prejudicial à saúde, é calado. O tabagismo moderado carrega menos perigo que os produtos tóxicos elaborados por corporações poderosas, presentes na quase totalidade dos alimentos industrializados. Os quimicos-fármacos vendidos como caixas de fósforos, "danificam o DNA e provocam cânceres."
 
Os estudiosos na contra mão das políticas oficiais, lembram que os corantes artificiais utilizados na indústria alimentícia, o nitrito de sódio, o aspartame, os sabonetes anti-bacterianos e dezenas de produtos químicos cancerígenos são comercializados sem qualquer advertência, quando deveriam ser proibidos. A população é mantida desinformada enquanto aumentam as artrites, leucemias, bronquites, canceres... e bronquices programadas, para obscurecer a mente e escravizar os corpos.

Referências:
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário